Em texto publicado na coluna “Direito à saúde”, o magistrado Clênio Jair Schulze aborda a importância do julgamento adequado pelo judiciário quando há judicialização de terapias especiais indicadas para condições clínicas como o Transtorno do Espectro Autista (TEA). 

Os enunciados sobre a judicialização dessas terapias são abordados no texto, os quais sinalizam cláusulas contratuais abusivas e a não obrigatoriedade das operadoras de saúde quanto a práticas que não possuem o suporte de evidências científicas. 

Leia o texto na íntegra: https://emporiododireito.com.br/leitura/terapias-especiais-e-a-jurisprudencia